MSXPI:Specs:PT

From Retro-CPU.run
Jump to: navigation, search

MSXPi


MSXPi 0.7 Rev.4 é fornecido na forma de um kit. Para usar o MSXPi, você vai precisar:


  1. MSXPi kit
  2. Raspberry Pi (qualquer modelo)
  3. Cartão SD para o Raspberry Pi (8Gb)
  4. MSX (qualquer modelo)

Antes de começar a utilizar o MSXPi, atualize o software com as versões mais atuais. Faça o download do msxpi-server e dos msxpitools.dsk para o RPi, e dos commandos "P" para o cartão SD/CF do MSX se estiver utilizando uma interface de drive.


Local para os arquivos no RPi:

msxpi-server -> /home/pi/msxpi/

msxpitools.dsk -> /home/pi/msxpi/disks/


ATENÇÃO: Se o RPi estiver com internet configurada e conectado ao MSX, pode atualizar todo o software simplesmente rodando o arquivo de bat MSXPIUPD.BAT a partir do MSX-DOS.

>>> Download de novos comandos e correções do software <<< 


Para começar a usar o MSXPi, consulte a documentação abaixo.


DOCUMENTAÇÃO:


Para suporte e troca de informações com outros usuários da interface, adira ao grupo no Facebook e à lista de discussão no google:

Grupo no Facebook: https://www.facebook.com/groups/258165507967883/

Lista de discussão: https://groups.google.com/forum/#!forum/msxpi

Mais informações também no site do projeto do github: https://github.com/costarc/MSXPi


Este projeto está sendo desenvolvido há muito tempo, sendo que o software continua em desenvolvimento, com novas aplicações surgindo com alguma frequência. Se você apreciar e quiser fazer uma contribuição, pode fazer usando qualquer dessas moedas digitais:

Bitcoin:1MCQcaShoT6NwFw2AJ7kdfh72Uucup7YEx

Digibyte:DMZZpDhgveNwa9BjLs5GtqgYQM29fqv8Pq


Especificações - V0.7 Rev.4

sakC5F6.jpg

yYA9Il8.png

Este é o PCB do MSXPi v0.7 Rev.3. É basicamente igual à versão original protótipo, sendo que a única adição é um conector JTAG (5x2 pinos) para programação do CPLD diretamente na placa.

As especificações do projeto:

  • PCB MSX padrão Patola.
  • CPLD EPM3064ALC44-10N PLCC 44 Pinos, soquetado. Aproximadamente 70% da área esta utilizada.
  • Conector JTAG para reprogramar o CPLD diretamente na placa
  • EPROM 27C256 DIP 28, soquetada. 16KB utilizado para MSX-DOS e comandos CALL. 16KB Livres.
  • Alimentação do CPLD, EPROM e Raspberry Pi diretamente via barramento do MSX, 5V.
  • Regulador de tensão 3.3v para alimentar o circuito e compatibilizar sinais com o Raspberry Pi.
  • Conexão do Raspberry Pi via 5 GPIO, 1 VCC e 1 GND. Compatibilidade com todos os modelos, sendo que o Pi Zero pode ser soldado diretamente na interface.
  • MSX-DOS 1.04 gravado na EPROM, com acesso a imagens de disco gravados no cartão SD do Raspberry Pi.
  • Pode operar sem ROM. Neste caso, o boot é efetuado por outro dispositivo (MegaFlashRom SD, ATA-IDE, Beer IDE, etc).
  • Jumpers para selecionar o CS do MSX (CS1/CS2/CS12)
  • Jumper para habilitar o sinal BUSDIR
  • Jumper para trocar os sinais de endereço A14/A15 para a EPROM

Veja as demonstrações dos recursos implementados.


Copia de arquivos da internet para o disco do MSX. Este recursos funciona em qualquer DOS, mesmo sem a EPROM instalada na interface.


Boot pelo MSX-DOS usando MSXPi, listando arquivos no Pi (pdir), alterando imagens de disco (psetdisk) e carregando um jogo megarom com loadrom.


Acertando a data do MSX-DOS no boot. Data e hora são fornecidos pelo Raspberry Pi.


Vídeo mais longo, demonstrando acesso a http, ftp, nfs e pastas compartilhadas do Windows.


E uma prova de conceito de uma nova linha de desenvolvimento, o NFS (Nestor File System) em parceria com Nestor Soriano (Nextor). Este recurso permitirá qualquer DOS2 e Nextor acessar qualquer arquivo no Pi através de um mapeamento de drive. No vídeo, o drive G: é mapeado para o cartão SD do Pi.


FAQ:

1. É possível redirecionar a saída de vídeo do MSX para HDMI R: Não. E provavelmente não será possível com o projeto atual.

2. Existe um stack TCPIP disponível, ou seja, é possível usar os aplicativos que precisam de TCPIP (telnet, ftp, etc). R: Não atualmente, mas o projeto tem capacidade suporta esta aplicação. Um stack TCPIP está na lista de desejos, podendo vir a ser desenvolvido no futuro.

3. Posso usar teclados e mouses USB no MSX R. Não atualmente, mas o projeto tem capacidade suporta esta aplicação. Mais uma aplicação que esta na lista de desejos, podendo vir a ser desenvolvido no futuro.

4. Posso usar qualquer modelo de Raspberry Pi? R. Sim, pode. O projeto, do lado do Pi, se assenta sobre o Linux para prover os recursos para o MSX. A única limitação é de performance, pois quanto mais obsoleto seu Raspberry Pi, mais lento será a resposta ao MSX.

5. Posso usar os comandos EXECROM, LOADROM, SOFARUN para rodar jogos? R: No modo boot pelo MSX-DOS1, pode, pois esses programas vão "enxergar" um disco normal A: ou B: como estamos acostumados. Mas se o MSXPi for usado sem a EPROM, com boot por um SD ou CF, os comandos acima não conseguem ver o SD do Pi (não ainda... quando NFS estiver operacional, vai funcionar). Para usar esses comandos, entretanto, você pode usar o comando PCOPY para copiar o jogo de qualquer lugar para o disco do MSX, e então os comandos citados poderão ser usados. Outra opção é usar o PLOADROM para ROMs até 32K.

6. É possível instalar a interface num case Patola, ou outro?

R: Esta versão não cabe na caixa (patol ou outra), pois usa componentes through-hole, e soquetes. Além disso há outra consideração importante: ventilação do Raspberry Pi. Este é um componente que aquece muito, e mante-lo numa caixa pequena sem ventilação pode não ser, afinal, uma boa idéia.

7. Com que frequência software é atualizado e desenvolvido para a plataforma? R: Tenho trabalhando intensamente no desenvolvimento do projeto, e dos comandos atualmente disponíveis. Mas preciso de ajuda, e agora o projeto está publicado como open source. Procuro pessoas que tenham interesse em contribuir. Todos os fontes estão publicados em https://github.com/costarc/MSXPi

8. Porque a MSXPi vem com MSX-DOS 1 e não o MSX-DOS 2 ou Nextor ? R. Porquê MSX-DOS 1 roda em qualquer micro com 64KB e sem necessidade de memory mapper. Além disso, para suportar MSX-DOS 2 seria necessário uma EPROM com 64KB, e para suportar Nextor uma EPROM com 128KB. Tudo isso ia obrigar a um cartucho mais complexo, com memória e CPLD maior para suportar a lógica da mapper. Fiz um projeto dentro de minhas capacidades de iniciante, e sem acrescentar custos desnecessários visto a grande variedade de mappers disponíveis para MSX.